quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Doutores da Alegria transformando a realidade hospitalar

Reações: 
Os Doutoras da Alegria

A iniciativa dos Doutores da Alegria em levar o trabalho de artistas profissionais e especializados na arte do palhaço aos hospitais é pioneira no Brasil e sua implantação foi feita pelo ator Wellington Nogueira, inspirado pelo programa que integrou o “Clown Care Unit”, de Nova Iorque, lançado em 1986, pelo ator Michael Christensen.

 

Os números desta trajetória reforçam a ação bem-sucedida: desde 1991, quando a organização foi fundada, os Doutores já visitaram mais de 550 mil crianças e adolescentes hospitalizados, atingindo também cerca de 600 mil familiares e envolvendo mais de 13 mil profissionais de saúde.

 

Essa ideia, então inédita, foi inserida na sociedade brasileira e sua prática vigora hoje em dezesseis hospitais no Brasil.

 

Além disso, inspirou cerca de 200 iniciativas similares em todo país, motivando uma série de parcerias que incluem o Ministério da Saúde e a iniciativa privada.

 

Tudo isso possibilitou outras conquistas importantes, como a criação de um Núcleo de Pesquisa e Formação

próprio – o primeiro entre organizações desta natureza.

 

Oito dos hospitais atendidos pelos Doutores da Alegria ficam em São Paulo, na capital: Hospital

do Campo Limpo, Hospital da Criança, Hospital Santa Marcelina, Instituto da Criança e Instituto de Tratamento do Câncer Infantil do Hospital das Clínicas, Hospital do Mandaqui, Hospital do Grajaú e Hospital Universitário da USP (em fase de experiência); quatro no Rio de Janeiro (RJ): Hospital Pedro Ernesto da UERJ, Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira da UFRJ, Hospital Geral de Bonsucesso e Hospital Salgado Filho; quatro em Recife (PE): Hospital Oswaldo Cruz; Hospital da Restauração; Hospital Barão de Lucena e IMIP; e em Belo Horizonte a Santa Casa local e o Hospital das Clínicas da UFMG.

 

Atualmente, os Doutores trabalham ainda pelo cumprimento de novos objetivos.

 

Entre eles, está a ampliação de sua atuação em hospitais da rede pública, a instalação de sedes em outras capitais do país e a busca para se tornar auto-sustentável.

 

Ao mesmo tempo, eles mantêm a premissa de formar novos profissionais e resgatar a identidade do palhaço brasileiro, aproximando-o do público.

 

Neste segmento de atuação, está o projeto “Palhaços em Rede”, um dos novos eixos mais importantes da organização para os próximos anos, por conjugar
expansão e formação em diversos níveis, além da criação de um fórum que discuta ética e qualidade das relações.

 

Doutores da Alegria é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, que leva alegria a crianças hospitalizadas através da arte do palhaço (mágica, malabarismo, mímica, improvisação e música).

 

Atualmente, a entidade conta com uma equipe de 21 funcionários e colaboradores nas áreas de pesquisa, formação, gestão, administração e mobilização de 58 artistas profissionais hoje em 18 hospitais.

Desses artistas, 11 participam também da gestão da ONG. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

boobox

Olá seja bem vindo!

A arte esta em nossas vidas, viva a arte intensamente.